Saturday, April 20, 2013

MÉTODO LEPLETIER DE RELACIONAMENTOS


Foi há mais ou menos 9 anos, quando trabalhava na Feira Esotérica Anjos e Cia, em Portugal, que eu e Maria del Mar, uma amiga querida, estudávamos novas formas de abordagem da questão afetiva nas consultas por acharmos os métodos disponíveis insuficientes e incompletos para a complexidade das questões colocadas a nós pelos consulentes e a intensidade com a qual esse campo da vida é vivido.
Queríamos algo abrangente, que descrevesse de forma detalhada as relações afetivas e que fosse versátil, podendo ser usado para analisar qualquer tipo de relação: desde uma amizade até uma sociedade e mesmo a sua relação com seu pior inimigo!
 
Depois de estudarmos vários métodos decidimos que o que melhor serviria de base para a construção do que pretendíamos seria o dos Relacionamentos, de Hajo Banzhaf, em seu Manual do Tarot, devido à forma de disposição das casas que representam duas pessoas interagindo.



Mar desenvolveu a sua variante e eu a minha e ao analisar o método, o primeiro ponto que percebi deficiente foi a falta de uma casa que descrevesse a atitude de um para o outro, como tratavam o parceiro, a sua forma de expressão e contato, o que exteriorizavam, pois antes do sexo acontecer vive-se isso. Mesmo o sexo rápido, casual, experimenta uma troca de olhares e alguma forma de comunicação, podendo ser até ser gestual, que dá o sinal verde ou vermelho para que as coisas aconteçam ou não. E mesmo o sexo em si, apesar de se um dos pilares de uma relação, não descreve a convivência do casal. Podemos ter um sexo maravilhoso com nosso parceiro, amá-lo profundamente, mas não convivermos bem com ele.

Pensando dessa forma substituí a casa que representa o sexo pela casa que descreve a ATITUDE que se tem com o parceiro. Assim teremos base para avaliar com profundidade cada parte analisada como veremos na descrição completa do método mais a frente.

Outra inovação foi  redefinir a carta da Síntese pelo “PRESENTE”,que mantém o seu sentido de síntese mas ganha um caráter temporal indicando a qualidade da interação do casal no momento. Para construir uma linha temporal, estendendo a visão da relação para as suas origens e o seu futuro, acrescentei as casas de “PASSADO” e “FUTURO”. Assim podemos observar a evolução temporal da relação.

Ao lado de cada agrupamento que representa as pessoas envolvidas, acrescentei uma carta que representa os “FATORES EXTERNOS” para entendermos como as situações da vida de cada um interferem na relação. 

Assim temos um método que traz uma análise completa de ambas as partes isoladamente e sua interação; como são afetados pelo meio e seu desenvolvimento temporal. 

Como podem ver, podemos analisar qualquer tipo de relação de forma detalhada e profunda.



Mas ...  E O SEXO?

Bem, quando estivermos falando de um envolvimento afetivo, onde há contato íntimo ou a promessa do mesmo, colocamos uma carta ao lado da casa “ATITUDE” que representará o “SEXO”, por essa ser a via de contato. Ela não foi descartada, apenas é usada somente quando necessário.
Então o método aprimorou-se ...





Vejamos agora uma descrição mais detalhada e ilustrada do método seguida de um exemplo:




Casas 1  e 2 – : Elas descrevem o aspecto mental mostrando como cada um vê a relação, como cada um vê o outro, o que tencionam e planejam, o que percebem.

Casas 3 e 4 - Descrevem os sentimentos. O que cada um sente pelo outro, seu nível intensidade e abertura, a capacidade de entrega, o prazer e como o outro o preenche.

Caso estejamos analisando uma sociedade essa casa vai mostrar o grau de satisfação e entrosamento com o sócio. Se é prazeroso trabalhar com ele, o nível de realização pessoal em relação ao negócio (ou qualquer outro tipo de acordo) e as motivações. No caso das amizades e relacionamentos pessoais ou parentais, mantêm-se os signifcados acima.

Casas 5 e 6 -  Aqui temos as casas da “ATITUDE”, ou seja, como eu lido com meu parceiro? Como eu o trato? Como me expresso? Como chego até ele e o toco? Como me coloco na relação?


Essa é a casa Yang extrovertida, que se expressa, e as duas anteriores são Yin, introvertidas, somente percebidas indiretamente. As casas de atitude são a via de escoamento e expressão dos conteúdos casas anteriores, que fazem parte do interior de cada um e não percebidos diretamente. 

Se tivermos CAIXÃO na casa dos Sentimentos, como no exemplo 1, e um BOUQUET nas casas de Atitude, então podemos perceber que apesar de todo esse carinho e atitude afetuosa, elogios e demonstrações de afeto, desse discurso valorizador das qualidades e do exaltar da beleza, da atitude romântica com belos passeios e o cuidado e esmero para se dar o melhor, existe um esgotamento desse sentimento, uma ausência de prazer e uma sensação de fim. Não há amor e o melhor disso tudo será, em tese, sentido somente por quem recebe, ou seja, o parceiro. Essa atitude galanteadora e apaixonada é uma forma de se esconder fim do amor ou a fuga da dor.

Eu considero essas, as casas mais importantes do jogo por serem a via de troca, por onde os vínculos se estabelecem e por onde podemos ter uma ideia de sua qualidade e saúde, e também, por onde a relação se realiza e realmente acontece. Um bloqueio grande aqui compromete todo o resto. Veja nos outros dois exemplos como elas podem afetar a qualidade da relação:

No exemplo 2, uma consulente com o CORAÇÃO no Sentimento e a FOICE na Atitude. De que adianta todo esse amor se ela não o expressa, o esconde, age de forma fria e ríspida, interrompendo qualquer expressão de afeto e afastando o parceiro de forma dolorosa, fria e incisiva? Isso torna impossível a concretização da relação ou a vivência plena e satisfatória dela, comprometendo sua continuidade, caso exista. 

E, de forma inversa, no exemplo 3, outra consulente com os CAMINHOS no Sentimento e a CASA na Atitude. Um coração desligado, solto, com os sentimentos dispersos, gostando e não gostando, simultaneamente, sem vínculos reais agindo de forma afetuosa, acolhedora, receptiva e provedora, criando um clima de amor e integração perfeito para algo mais sério. A atitude é incoerente com o os desejos e sentimentos, o que tende a criar muitos problemas futuros. 

Bem essas são apenas análises parciais apresentadas para podermos perceber a importância e o funcionamento das casas e sua interação.

7 e 8 Casas dos Fatores Externos – Elas descrevem como a vida de cada indivíduo e tudo que ela contém afeta a relação. O que cada um traz consigo e como isso influenciará o seu comportamento individual e afetará o desenvolvimento e a vivência da união.

 9 Casa do Passado – A síntese da relação num passado próximo ou a sua origem. De onde eles vêm.

10 Casa do Presente – A síntese da relação hoje. Como ela está? Como é vivida? Qual o produto da interação dos parceiros e de seus fatores externos?

11 Casa do Futuro – Quais as perspectivas da relação nos próximos meses(ou o tempo que for convencionado). Para onde vão.


 
12 e 13 Casas do Sexo – Meu tesão pelo parceiro, minha atitude no sexo, meu nível de abertura e satisfação física. Como se tocam intimamente.

 Vamos agora analisar um exemplo:

 Análise da Relação de André e Lívia.


Antes, vamos responder a uma pergunta que todos fazem: Por onde começar a leitura?

Bem, eu começo, a maioria das vezes, pelo presente e então passo para a análise do consulente e a seguir, o parceiro. Depois vejo o passado e então o futuro, mas isso não é uma regra. Começamos qualquer leitura a partir de onde estiver mais claro e nos chamar mais atenção. Umas vezes será o presente, outras os fatores externos do consulente, outra o passado. O que importa é a leitura fluir, por isso, fique à vontade!

Comecemos, então, pelo presente que é representado pelo SOL. A relação encontra-se numa fase alegre e intensa, vivificando-se a cada dia, indicando que, independente de qualquer que seja o sentimento no coração do casal, a união beneficia ambos, proporcionando alegria e conforto. Associando a carta ao sentimento de cada um dos parceiros vemos o CAIXÃO e o SOL para André e o NAVIO e o SOL para Lívia. A direção que a leitura deve obedecer é do consulente e seu parceiro para síntese, nessa ordem, pois ela é o produto da sua união dos dois sendo, portanto para onde ambos se direcionam.

No caso de André, do CAIXÃO para o SOL, ou seja, da morte para a vida. Ambos os símbolos têm algo incomum: o fim. O CAIXÃO finda, mata para que a vida continue, esvazia para se preencher, envelhece para se renovar; o SOL põem-se para nascer, morre para viver. Configura-se a COMBINAÇÃO DA FÊNIX. Essa relação simbólica indica que a união se apresenta como uma oportunidade do consulente mudar sua vida, curar e revitalizar seu esvaziado coração. A oportunidade existe, é um fato, porém ele ainda se encontra vivendo a perda e sem um luto concluído. 

No caso de Lívia, o NAVIO caminha em direção ao SOL navegando em mares calmos e águas paradisíacas numa viagem calma e feliz, enchendo seu coração de satisfação e da sensação que caminha na direção certa, com segurança, independente de eventuais problemas que possam surgir. Sente a relação como uma prazerosa oportunidade de troca afetiva e como algo que a faz ir além, rompendo bloqueios afetivos de forma espontânea e natural plenificando o sentimento e potencializando a capacidade de troca afetiva e de vida. Com o NAVIO, transpomos fronteiras, portanto a conexão que ele descreve vai além do desejo. De acordo com o presente, a relação é promissora para ambos. O SOL derrama sua luz sobre o casal mostrando o que deve ser visto, colocando tudo às claras, dando a oportunidade de se conhecerem realmente.

Após uma visão geral do presente, vamos conhecer como o consulente e sua namorada se encontram-se em relação um ao outro.

André, o consulente:

O CORAÇÃO na casa 1, revela que André vê Lívia como um grande amor, como uma fonte de sentimentos, de carinho e afeto. Um ideal romântico é percebido ou projetado na parceira. Seus gestos tocam-lhe e ganham um sentido especial no contexto relacional. Para André, Lívia preenche sua vida com coisas boas e faz com que ele consiga perceber um colorido especial no mundo. Para ele é como se Lívia fizesse as coisas certas, na hora certa, agindo com leveza e pensando nos dois. Ela é vista com um brilho que a faz especial. Note-se que o coração está numa casa da mente, sendo um indicativo de que os sentimentos afetam o pensamento e os julgamentos. Bom ou ruim? O contexto é que define! 

O CAIXÃO na casa 3 representa os sentimentos de André por Lívia. Apesar de ter uma visão romântica de Lívia e de isso, possivelmente o agradar, o coração de André  tem uma ferida e é tomado por um vazio, como se algo morto estivesse, em processo de decomposição. Forte, não é? Pois é, assim é CAIXÃO. Possivelmente, o consulente ainda tem alguma questão pendente que se encontra num processo de finalização. Um luto que ainda não terminou. O sentimento por Lívia ainda não nasceu. Só nascerá após a morte e o trauma desse outro se concluir. Como vimos que o produto da união é o SOL e que combinado com o CAIXÃO  temos a combinação da Fênix, que promete um renascimento e uma renovação, aliado à sintonia que acontece entre eles e um futuro promissor descrito pelo BOUQUET na casa 11, o futuro, é bem provável que o esse luto seja concluído e o amor nasça em seu coração.

As suas atitudes com a namorada são descritas pelo TREVO, na casa 5. A carta da sorte, e da oportunidade indica que ele se permite viver esse amor e age de forma simples, mas significativa com Lívia, sem extravagâncias nem exageros, sendo doce e carinhoso, levando-a para ver um pôr-do-sol na praia num dia, levando-lhe uma rosa no outro, talvez. No trevo tudo é simples, mas significativo e com ele sempre estamos abertos às oportunidades, por isso existe um esforço da parte do André para que o amor aconteça. E é nesse movimento que a magia e a sorte se manifestam quando falamos do TREVO.

A carta que se encontra na posição 7, mostra o que André traz consigo para essa relação. Nesse caso, com OS CAMINHOS, o consulente traz a necessidade de fazer escolhas, ele traz “caminhos alternativos”, que querem dizer, nesse contexto que há alguma situação paralela que se encontra com a atual (a encruzilhada), exigindo uma posição e escolhas a serem feitas. Fora isso, um mundo de novas possibilidades e desimpedimentos a partir das escolhas tomadas.

A posição 12, o sexo, mostra André ainda tímido e fechado nesse campo. A carta do LIVRO, cujos atributos são o segredo, o mistério, conhecimento profundo e linguagens codificadas prejudica a performance sexual e a conexão nesse nível por não ser uma carta de abertura e revelar couraças protetores  a necessidade de ser descoberto e ativado. Lívia precisará de algum tempo para que André consiga se abrir e dar-se plenamente nesse campo. Talvez isso se explique pelas situações que viveu, descritas acima. O bom é que existe uma forte conexão entre eles e um movimento por parte de ambos de se integrarem nessa relação sinalizando que esse bloqueio logo será superado. Se o livro precisa que se consiga entender sua linguagem para ser compreendido, já vimos que Lívia conhece bem André e sabe como ele funciona.

Lívia, a namorada:

A casa dois contém a carta 4, A CASA. Lívia demonstra conhecer André intimamente, sendo as necessidades e atitudes do namorado algo familiar a si. Enxerga nele segurança e proteção, cumplicidade e carinho. Vê em André, alguém com quem quer formar uma família, talvez pense em viverem juntos e a convivência diária com seu amor é um pensamento constante em suas ideias. Para ela a relação tem bases sólidas e a promessa de longevidade e fortalecimento com o tempo. 

Os sentimentos de Lívia são representados pela carta 3, O NAVIO indicando que seu coração é preenchido por uma sensação de plenitude que a motiva a ir além de si mesma, que faz entender que essa relação é mais do que mera paixão e que uma forte troca de vida em seus sentido mais amplo é estabelecida. O amor por André a faz superar seus bloqueios e motiva-a em sua vida a fazer o que precisa lembrando sempre que investir em si é investir na rica troca que existe entre eles fortalecendo seus vínculos e a relação. Analisando a posição do sentimento com o pensamento, vemos uma pessoa madura e preparada para uma relação.

Aqui, na casa 6, onde é descrita a atitude do consulente, vemos furtiva carta 23, OS RATOS que se mostra incoerente em relação ao que vimos anteriormente. Lívia agen de forma escapista, esquiva e tentando se esconder, dando muito menos do que realmente sente e demonstrando seus sentimentos em doses homeopáticas e de forma discreta, quase escondida, esperando mais de André do que ele mesmo dá. Esse comportamento poderia comprometer a relação se André não tivesse uma percepção mais romantizada. O que lhe favorece é que o namorado a vê para além das ações e acredita nesse amor que percebe nela.

A casa 8, traz a MONTANHA, que revela uma vida com limitações e bloqueios. Situações ou pessoas comprometem a liberdade pessoal e livre expressão de Líva, sendo, possivelmente, responsáveis pelas suas ações tão tímidas e silenciosas. Como a carta 21 traz uma ideia de bloqueios de difícil transposição por serem parte significativa do que se vive, é provável que essas restrições ou julgo sejam parte de sua vida pessoal estando presentes no contexto familiar, geográfico ou socioeconômico. Como o NAVIO é carta que supera os obstáculos da montanha por representar o cruzar das fronteiras e o ir além, é o seu sentimento que poderá libertá-la dessa condição angustiante e ela enxerga em André e no amor verdadeiro que sente por ele, uma forma de libertação. Como a sua carta de expressão é o RATO, dificilmente Na André deva ter ciência dessa parte problemática da vida de sua namorada.

A carta das ESTRELAS, na 14ª posição, diz que Lívia no sexo com André a química vai além do corpo, como se fosse uma oportunidade conexão de almas, proporcionando-lhe prazer num nível mais elevado e uma sensação de satisfação plena.
A casa do passado da relação é de domínio do LÍRIO, a carta da anunciação e da eleição dizendo que eles reconheceram algo especial um no outro, que tinham um papel especial nas suas respectivas vidas, que  sua união lhes trazia calma, paz e sentido. Essa pode ser uma pista para a capacidade de superação das dificuldades da relação de ambos e pela visão tão romântica e otimista da relação, bem como a abertura que têm um com o outro.

O futuro é coroado com a carta do BOUQUET. O presente que nada mais é do que um gento e que traz um objeto representando um carinho, um sentimento verdadeiro. Nele reúnem-se as múltiplas cores de diversas espécies de flores e ramagens, cada uma com seu tom, oferecendo o seu melhor e acrescentando com o que tem de melhor, compondo assim a beleza e a harmonia da peça. A unidade na diversidade, as diferenças acrescentam e muito mais é o que os une do que o que os separa. Um futuro de alegria e união os aguarda revelados pelos melhores auspícios. Obstáculos serão superados, declarações feitas e o amor será vivido de forma objetiva, tangível, real. O período que se segue marcará suas vidas pela positiva através da vivência de momentos mágicos e felizes.

É interessante notar a linha do tempo do jogo - PASSADO-PRESENTE-FUTURO.

Nela temos o LÍRIO, o SOL e o BOUQUET. A combinação lembra a passagem da luz por um prisma, onde o branco revela suas múltiplas cores num lindo arco-íris. Isso sugere um desabrochar da vida de casa um, uma união que evidenciará os potenciais latentes de cada um e onde suas diferenças servirão como reforço do sentimento e alicerce para a relação.

Espero que tenham gostado e que o método apresentado lhes seja útil.

O método pode ser aplicado à: 


1 comment:

Waléria said...

Parabéns pelo método e pela explicação muito clara . Vou testar assim que possível, fiquei muito interessada por ele .Obrigada